Economia alemã trava mais depressa do que se pensava

A produção industrial na Alemanha caiu 1,9% em Novembro, face a Outubro, valor que surpreendeu os analistas, pois significa que o motor da economia europeia desacelerou mais depressa do que o previsto. O PIB alemão pode ter estagnado ou caído no quarto trimestre de 2018

A economia alemã cresceu apenas 0,2% no terceiro trimestre de 2018, mas na terça-feira foi divulgado um indicador preocupante: a queda de 1,9% na produção industrial em Novembro pode significar que a Alemanha estará em desaceleração severa ou até no início de uma recessão.

O valor negativo na produção industrial surpreendeu os analistas, que esperavam um valor positivo, aumentando o pessimismo em relação ao conjunto da economia. Dentro de uma semana serão divulgados os valores do crescimento do PIB no quarto trimestre e as expectativas são agora mais sombrias. Considera-se recessão quando uma economia tem dois trimestres consecutivos de quebra do produto interno. Uma situação de redução ou estagnação na Alemanha teria certamente consequências a nível europeu, ocorrendo o fenómeno antes do verdadeiro impacto do Brexit, mais provável no segundo trimestre de 2019.

O abrandamento das economias avançadas em 2019 é aliás uma das previsões do mais recente relatório do Banco Mundial, Global Economic Prospects, publicação semestral divulgada na terça-feira, que alerta para riscos de perturbações no comércio internacional e para o endividamento crescente das economias emergentes.

A economia global tem beneficiado de um longo período de baixa inflação, com o que isso implica de estabilidade na produção e no emprego, mas segundo o Banco Mundial, este período pode estar a chegar ao fim. A economia mundial será abalada nos próximos anos por aumentos no preço dos alimentos, com reflexos na segurança dos países mais pobres, na sua maioria sobrecarregados com pesados serviços de dívida.

 

Mais Notícias
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
DriveNow chegará ao Meco durante o Super Bock Super Rock
Automonitor
Ao volante da nova geração do Renault Clio