Exército dos EUA vai treinar e lutar com realidade aumentada

A Microsoft ganhou um contrato de 480 milhões de dólares (cerca de 424 milhões de euros) para fornecer protótipos de sistemas de realidade aumentada ao Exército norte-americano para uso em missões de combate e treino.

O contrato, que pode eventualmente levar as forças armadas dos EUA a comprar mais de 100 mil aparelhos de HoloLens, tem a intenção de «aumentar a capacidade de detectar, decidir e enfrentar o inimigo», segundo uma descrição do governo sobre o programa.

«A tecnologia de realidade aumentada capacitará as tropas para tomarem melhores decisões. Esta aposta amplia a nossa longa e confiável relação com o Departamento de Defesa nesta nova área de tecnologia», disse um porta-voz da Microsoft em comunicado.

O Exército dos EUA e os militares israelitas já usaram os dispositivos HoloLens da Microsoft em treinos, mas os planos para combate ao vivo são um passo significativo nesta parceria.

Com o contrato, o Exército torna-se um dos mais importantes consumidores da Microsoft desta tecnologia. Porém, a versão fornecida às tropas vai ser diferente daquela que é vendida aos consumidores: irá incorporar visão nocturna e sensores térmicos, medir sinais vitais como respiração e “prontidão”, monitorizar concussões e oferecer protecção auditiva.

O contrato foi possível após um processo de licitação destinado a encorajar o Exército a fazer negócios com empresas que não são empreiteiras tradicionais da área da defesa.

A Magic Leap, a principal concorrente da HoloLens para o mercado consumidor, também tentou alcançar um contrato. No início de Agosto, o Exército esteve reunido com 25 empresas interessadas em participar, incluindo a Booz Allen Hamilton, a Lockheed Martin e a Raytheon.

A cooperação do sector de tecnologia com as forças armadas tornou-se mais acirrada no ano passado, quando empresas como a Alphabet Inc., da Google, e a Amazon.com, recuaram com contratos governamentais.

Mais Notícias
Comentários