Fundação Nobel atribui este ano dois prémios da literatura

Após um escândalo que durou ano e meio, reformas na academia sueca permitem regresso do principal galardão literário do mundo.

A Fundação Nobel anunciou que serão atribuídos este ano, no Outono, os prémios Nobel da Literatura de 2018 e 2019. Esta decisão segue-se a uma crise da Academia Sueca, a instituição que selecciona os vencedores. O prémio de 2018 foi suspenso na sequência de acusações de assédio feitas em 2017 ao marido de Katarina Frostenson, membro da Academia. A polémica evoluiu para um escândalo sobre favoritismo, informação privilegiada e abuso de poder, que deu origem a demissões (incluindo de Frostenson) e acabou por manchar a reputação da academia.

No comunicado em que anuncia o regresso dos prémios, a Fundação Nobel refere que as medidas tomadas pela academia sueca permitem restaurar completamente a confiança na instituição. Os estatutos foram clarificados, os membros podem demitir-se e foram substituídas as personalidades mais atingidas pelo escândalo. Cinco independentes, exteriores à academia sueca, farão parte do comité Nobel (de 18 elementos) que escolhe os vencedores. Além das alterações na estrutura, foram mudados os métodos de trabalho deste comité.

As reformas não têm precedente. Até hoje, o Prémio Nobel manteve o seu funcionamento secreto, complexo e aparentemente fora da política. A escolha dos vencedores é feita em diversas fases, primeiro com uma lista que ronda as duas dezenas de autores, depois uma lista mais curta, com cinco nomes, que é sempre alvo de forte especulação dos meios de comunicação e das casas de aposta.

O Prémio Nobel da literatura foi atribuído pela primeira vez ao francês Sully Prudhomme, em 1901, e uma única vez a um escritor de língua portuguesa (José Saramago, em 1998). Os últimos cinco prémios foram todos altamente controversos, sobretudo o penúltimo, em 2016, atribuído ao poeta e cantor americano Bob Dylan. Remonta a 2010, quando venceu o peruano Vargas Llosa (na imagem) o último prémio relativamente livre de polémica.

Mais Notícias
Comentários