Novo Plano da Orla Costeira: Edifício Transparente, no Porto, para demolir

Este imóvel faz parte da lista de 34 edifícios, sobretudo de restauração, e centenas de casas de 14 núcleos habitacionais que a Agência Portuguesa para o Ambiente pretende demolir, na costa entre Caminha e Espinho.

O edifício Transparente foi construído no Porto durante a Capital Europeia da Cultura, em 2001, e custou 7,5 milhões de euros ao erário público, mas não é o único alvo a abater para a Agência Portuguesa para o Ambiente.

Segundo o Jornal de Notícias, o novo Plano da Orla Costeira Caminha-Espinho determina a destruição de 34 edifícios e a retirada de centenas de habitações construídas nas dunas.

A construção de novos edifícios em localidades costeiras como Espinho, Vila Praia de Âncora, Moledo, Esposende, Póvoa e Vila do Conde vai também ser proibida, sendo só possível de concretizar projectos quem já os tem licenciados.

Entre as centenas de casas, de 14 núcleos habitacionais, que a APA quer ver destruídas, estão as que foram construídas ilegalmente em cima das dunas em diversas praias: Amorosa, Pedra Alta, Pedrinhas, Cedovém, Suave Mar, Ofir Sul, Aver-o-Mar, Congreira, Mindelo, Pucinho, Marreco, Madalena, Valadares e Paramos.

O novo plano prevê o ordenamento de 122 quilómetros de costa, abrangendo nove municípios entre Caminha e Espinho. A intervenção é justificada pela exposição de vários edifícios a fenómenos extremos, o risco de erosão e de inundações. Os nove municípios envolvidos, que são contra este Plano, são obrigados a incluir nos seus planos directores municipais a transferência da edificabilidade dos edifícios a destruir para terrenos noutras zonas. A ideia é relocalizar as habitações numa zona mais interior da costa. Se os custos associados forem elevados, a Agência Portuguesa do Ambiente admite que o processo poderá ser faseado.

No futuro, a construção de novos edifícios, o loteamento e a ampliação de imóveis passarão a ser proibidos. Segundo o JN, na proposta estará em consulta pública a partir da próxima segunda-feira.

Mais Notícias
Comentários