O PS e as Fake News

A Amazon praticamente não tem lojas físicas. A Alibaba não tem stock. A Uber não tem viaturas, o Instagram não gera conteúdos e a Airbnb não tem propriedades. É um admirável mundo novo.

No caso das Fake News é esse admirável novo mundo outra vez. As mentiras podem ser produzidas por plataformas sem necessidade de intermediação (ou controlo) de partidos ou meios de comunicação e agenciamento tradicionais. Não admira que políticos e jornalistas olhem para essas plataformas como um taxista olha para um motorista da Uber: uma ameaça poderosa de concorrência num espaço que acreditavam ser só seu.

E é natural que, de entre os partidos, seja o PS o que aparece como o mais preocupado com as Fake News. Tão preocupado que lançou por estes dias um pungente apelo ao governo e aos outros partidos com o objectivo de lhes dar um combate sem tréguas. É normal. Um latifundiário das Fake News não pode ver com bons olhos a chegada de pequenos proprietários que vão lançando as suas próprias inverdades que, o Diabo seja cego e surdo, poderão não estar sequer alinhadas com as faltas à verdade que são do interesse do PS.

Na verdade, o PS é a Antral das Fake News. A melhoria do serviço, a qualidade da frota, a transparência da transacção comercial, a satisfação do cliente, tudo isso é o que menos importa. O que é fundamental é tentar impedir a entrada de concorrência. O táxi do PS é o país. O Serviço Nacional de Saúde são os pneus carecas.

O estado da Justiça é a direcção desalinhada, as cativações são as mudanças do óleo e as revisões adiadas, a Protecção Civil em ruínas são os estofos cheios de buracos. E Costa é o taxista das Fake News. Fala um português sofrível, não usa desodorizante e apoia o Benfica.

Quando inicia uma corrida, Costa promete sempre aos passageiros que há outro caminho. Então para onde é que o shôr quer ir? Quero ir ali para a zona do saneamento das finanças públicas. E o shôr quer ir por onde? Não sei, se calhar atalhávamos ali pela austeridade? O shôr não pense nisso, há outro caminho. Ó senhor motorista, como é que se chama este caminho? Carga fiscal, shôr passageiro,
embora também lhe chamem Esbulho.

Com Costa a conduzir o país, há sempre outro caminho, mas o preço é invariavelmente omitido no princípio da viagem. E o PS, latifundiário das Fake News, quer continuar a passar de mansinho que esse caminho não tem custos, que não levou o país à bancarrota em 2011, que este PS não é o velho PS de Sócrates, que os acólitos de Sócrates que são os do PS de agora nem sequer sonharam, muito menos viram o que se passava, que as 35 horas dos funcionários públicos não tinham custos, que a tragédia dos incêndios se deveu exclusivamente a condições atmosféricas desfavoráveis, que as relações familiares dentro do governo e na esfera do poder são normalíssimas, que a geringonça não é uma manobra táctica que branqueia a natureza antidemocrática do PCP ou que as instituições e as funções públicas mais relevantes não estão em estado de profunda erosão quando não de implosão.

O PS quer controlar as Fake News porque não interessam ao PS mentiras novas. As ilusões e embustes que o PS produz são-lhe mais do que suficientes. Ao PS não interessam mentiras novas, mas não interessam sobretudo novas verdades.

Como poderia interessar ao PS, paladino do combate às Fake News, cavaleiro imaculado de espada em riste pela transparência, que viesse por aí alguém sugerir que Pedro Marques, o cabeça de lista pelo PS às eleições europeias, fosse ele próprio um dos elementos que alimentava o blogue Câmara Corporativa, uma máquina de contra-informação ao serviço de Sócrates? Ou que alguém se lembrasse de sublinhar que o número 3 dessa mesma lista é Pedro Silva Pereira,
o lugar-tenente de Sócrates que o PS oportun(ístic)amente renegou?

São de facto tempos gloriosos estes em que ouvimos, na mesma semana, o PS defender medidas contra as Fake News em nome da cidadania e Ricardo Salgado afirmar que todos os dias se lembra dos lesados do BES. Por este caminho, ainda vamos ver Carlos César preocupado com o nepotismo e o Juiz Neto de Moura a doar as suas posses à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima.

Mais Notícias
Comentários
Loading...