Portugal na linha da frente para a condução totalmente autónoma

A condução autónoma é mais do que apenas sensores, unidades de controlo e muita capacidade de computação. Também requer uma série de serviços inteligentes sem os quais nenhum veículo jamais será capaz de assumir a condução autónoma.

«Os serviços são no mínimo tão importantes para a condução autónoma quanto o hardware e o software. Estamos a trabalhar nos três tópicos simultaneamente para que veículos autónomos circulem de forma segura e fiável nas nossas estradas», afirma Dirk Hoheisel, membro do conselho de administração da Bosch.

Só ao saber a sua posição ao centímetro é que os veículos autónomos poderão circular em segurança. Por isso, a Bosch oferece um sistema de localização sem igual: software, hardware e serviços associados, que actuam como um sistema redundante para determinar com precisão a posição do veículo.

Portugal está, desde 2015, envolvido no desenvolvimento do sensor de posicionamento e movimento do veículo. Cerca de 25 engenheiros do centro de Tecnologia e Desenvolvimento em Braga foram responsáveis pelo desenvolvimento de hardware e pelas primeiras amostras funcionais para prova de conceito.

A equipa, que deverá chegar aos cerca de 35 elementos, está actualmente a trabalhar no hardware e software do novo sensor. «Este grupo faz parte de uma grande equipa internacional que desenvolve um sensor de posicionamento que atende a todos os requisitos automotivos – ser seguro, fiável, preciso e competitivo em termos de custo.

«O sensor de movimento e posicionamento do veículo permitirá que o carro autónomo saiba onde está, a qualquer momento e em qualquer lugar, com uma precisão muito maior do que os sistemas de navegação existentes», afirma Hernâni Correia, Team Leader para o projecto VMPS em Portugal.

Hardware: Bosch desenvolveu o seu próprio sensor de movimento e posicionamento

A Bosch desenvolveu um sensor que permite que veículos autónomos determinem a sua posição de forma precisa. Este novo sensor inclui uma unidade receptora de alta performance para os sinais GNSS, que os veículos autónomos usam para determinar a sua posição absoluta.

Os sinais são fiáveis para os sistemas de navegação actuais, mas não para os veículos autónomos. Por isso, a Bosch usa dados de várias fontes e iniciou a “joint-venture” Sapcorda em 2017.

Com a ajuda de uma rede de estações terrestres as posições precisas são conhecidas e consegue-se corrigir a informação de posicionamento do GNSS. Mas os sinais de GNSS não são a única informação que o sensor de posição e movimento do veículo recebe: graças aos sensores de velocidade das rodas e de ângulo de direcção, que são semelhantes ao sentido humano de toque, sabe para onde o veículo se dirige e com que velocidade.

Além disso, o sensor de movimento e posição do veículo possui sensores inerciais integrados – comparáveis ao ouvido interno dos humanos. Assim como as pessoas se movimentam com a ajuda de seus sentidos de toque e equilíbrio, o sensor pode usar esses dados para saber qual a direção do veículo.

Software: Algoritmos inteligentes determinam a posição do veículo

O sensor de posicionamento e movimento do veículo reúne os sinais de posição GNSS, os dados de correção e as informações dos sensores inerciais, dos sensores de velocidade das rodas e do sensor de ângulo de direção. No entanto, essa informação não é suficiente para a localização exacta de veículos autónomos.

Para o posicionamento preciso, os dados têm de ser processados por um software inteligente. Se a ligação por satélite se perder quando o veículo entra num túnel, o sensor de movimento e de posição pode continuar a determinar a posição do veículo durante vários segundos.

Entretanto, se o sinal GNSS for interrompido por um período mais longo e não for possível determinar a posição do veículo, o veículo autónomo pode recorrer ao serviço da Bosch para informações de localização.

Serviços: Mapeamento de estradas baseado em sensores de proximidade

O Bosch Road Signature é um serviço de localização baseado em mapas elaborados através dos sensores de proximidade instalados nos veículos de hoje e de amanhã. A Bosch oferece o serviço de forma integrada e em conjunto com a sua solução de localização baseada em sensores de movimento e posicionamento de veículo.

Sensores de vídeo e radar a bordo de veículos em movimento geram um mapa virtual, detectando características ao longo da via como linhas de faixas de rodagem, sinais de trânsito e rails de protecção.

Neste sentido, os sensores de proximidade têm uma grande vantagem, uma vez que, ao contrário das câmaras, podem detectar características da estrada no escuro ou quando a visibilidade é reduzida. O seu alcance de detecção também é maior.

Um módulo de comunicação do carro envia os dados relativos à estrada para a cloud, onde a informação é usada para gerar um mapa altamente preciso. Por sua vez, os veículos autónomos detectam as características da estrada onde circulam e consultam o mapa para ver se os sinais de trânsito ou rails de protecção que eles reconheceram correspondem aos registados na plataforma. Essa comparação permite que os carros determinem com precisão a sua posição na estrada numa escala de centímetros.

Mais Notícias
Comentários