Um grande progresso no sonho da fotossíntese artificial

Está a ser desenvolvida tecnologia que permite transformar dióxido de carbono em combustíveis fósseis. O processo resulta em menos CO2 na atmosfera e mais energia para os consumidores.

As plantas consomem dióxido de carbono e água num processo químico complexo, chamado fotossíntese, que resulta na produção de glicose e oxigénio. Por outro lado, as actividades humanas (queima de combustíveis fósseis) levam à acumulação na atmosfera de dióxido de carbono, gás que contribui para o efeito de estufa, que por sua vez está na origem de alterações climáticas potencialmente perigosas. Na busca de soluções para este problema, os cientistas estão a tentar desenvolver a fotossíntese artificial, ou seja, tecnologias capazes de imitar a natureza, permitindo capturar o excesso de dióxido de carbono.

Químicos da Universidade de Illinois conseguiram exactamente isso, usando energia solar e CO2 para produzir moléculas mais complexas, como propano. Este composto (riquíssimo em energia) é mais limpo do que outros combustíveis fósseis e queima com menor produção de dióxido de carbono. As vantagens são evidentes: a energia solar pode ser armazenada para consumo durante as horas em que o sol não brilha; será também possível consumir o dióxido de carbono em excesso na atmosfera, muito mais do que aquele que será produzido na combustão.

Os autores da investigação, Prashant Jain e Sungju Yu, sublinham outras vantagens: os combustíveis líquidos são práticos e mais baratos de transportar do que os gases, pois têm moléculas mais longas, sendo ricos em ligações e densos em energia. No papel de clorofila, o pigmento que capta a energia solar para as plantas, os cientistas usaram catalisadores metálicos, nomeadamente nanopartículas de ouro que actuaram de forma considerada eficaz, dada a sua estabilidade.

Os cientistas reconhecem que o seu processo está ainda longe da eficiência da natureza e dizem que os hidrocarbonetos produzidos desta forma seriam mais vantajosos do ponto de vista ambiental associados a produção eléctrica, nomeadamente em células de combustível. Para que tudo isto seja viável, falta ainda desenvolver estas técnicas em larga escala.


 

Mais Notícias
Comentários
Loading...

Multipublicações

Marketeer
DriveNow chegará ao Meco durante o Super Bock Super Rock
Automonitor
Ao volante da nova geração do Renault Clio