Uma ou duas coincidências

Rui Rocha

Rita, veja se o Centeno anda por aí.

– Eu não sou a Rita, nosso Primeiro. A Rita era a antiga Chefe de Gabine­te do nosso Primeiro. Aquela que o nosso Primeiro pôs na FLAD. Eu sou a Arlete.

– Pronto, Rita ou Arlete, mais tarde ou mais cedo vai tudo dar à FLAD. Veja lá se encontra o Mário.

(…)

– Chamaste, Tó?

– Vem cá, Mário. Senta-te aí e ouve-me só esta.

– Conta, Tó, conta!

– Vou à Ana Paula Vitorino e digo: já viste que o Bernardino contratou o genro do Jerónimo?

– Ahahahah!

– Depois, vou ao marido da Ana Paula Vitorino… ai, como é que se chama o gajo?

– O Cabrita?

– Isso. O Cabrita. Vou ao Cabrita e digo: já viste esta coisa do genro de Jerónimo?

– Ahahahah!

– Depois, vou ao Vieira da Silva e digo: já viste esta história do genro do Jerónimo?

– Ahahahah!

– Depois, vou à filha do Vieira da Silva… ai, como é que se ch ama a filha do Vieira da Silva?

– A Mariana, a que era Secretária de Estado?

– Isso. A Mariana. Vou à Mariana e digo: já viste aquilo do genro do Jerónimo?

– Ahahahah!

– Depois, vou à Sónia Fertuzinhos e digo: o genro do Jerónimo…

– Ahahahah!

– Depois, vou à Ana Catarina Mendes e digo: já viste isto do genro do Jerónimo?

– Ahahahah!

– Depois, vou ao irmão da Ana Catarina Mendes…

– O que é Secretário de Estado?

– Esse! E digo: e esta coisa do genro do Jerónimo, hã?

– Ahahahah!

– Depois, vou à Patrícia Melo e Castro, a minha Adjunta…

– A que é cunhada da Ana Catarina Mendes, Tó?

– Essa mesma. E vou assim: aquilo do genro do Jerónimo…

– Ahahahah!

– Depois, vou ao Eduardo Paz Ferreira…

– O Eduardo Paz Ferreira… Quem é o Eduardo Paz Ferreira, Tó?

– É o marido da Van Dunen, aquele que pusemos em Sines, pá.

– Ah! E então, Tó? E então?

– E digo: aquilo em Loures com o genro do Jerónimo…

– Ahahahah!

– Depois, vou ao Zorrinho…

– E quê, Tó? E quê?

– E digo: e aquilo do genro do Jerónimo?

– Ahahahah!

– Depois, vou ao João Cravinho…

– Qual Tó? O pai ou o filho, Tó?

– O filho, o filho. E digo: e aquilo do genro do Jerónimo, não?

– Ahahahah!

– Depois passo pela Mafalda Serrasqueiro, a Chefe de Gabinete que é casada com o Pedro Delgado Alves…

– O Secretário de Estado, Tó? O jovem turco, Tó?

– Esse, esse. E pergunto: então e a situação do genro do Jerónimo?

– Ahahahah!

– Depois vou almoçar com o Pedro Nuno Santos e o Duarte Cordeiro e digo: olha que o genro do Jerónimo, hã?

– Ahahahah! E depois, Tó? E depois?

– Depois, chegou a Ana Catarina Gamboa…

– Essa é casada com o Pedro Nuno Santos ou com o Cordeiro, Tó?

– É casada com o Pedro Nuno e Chefe de Gabinete do Cordeiro.

– Ah! E a mulher do Cordeiro é Chefe de Gabinete de quem, Tó?

– A mulher do Cordeiro não é Chefe de Gabinete. É aquela que nomeámos para a Direcção do Fundo de Inovação Social.

– Ah, já sei, Tó. Engano-me sempre. E também falaste do genro do Jerónimo à Ana Catarina Gamboa, Tó?

– Falei. Logo que se sentou à mesa.

– Ahahahah. E depois, Tó? E depois?

– Depois, ligo à Rosa Matos Zorrinho e digo: e aquela coisa do genro do Jerónimo?

– Ahahahah! Que sacana. E depois, Tó? e depois?

– Depois, fui ao Carlos César.

– Ahahahah!

 

Artigo publicado na edição n.º 12 do DIA15

Mais Notícias
Comentários
Loading...